Sem açúcar, por favor!

Um dos problemas mais dramáticos da saúde pública é a quantidade de açúcar consumida por cada indivíduo diariamente. O drama torna-se ainda mais preocupante quando olhamos para as estatísticas sobre a taxa de incidência de obesidade na população mundial e as graves consequências que esta traz. Nós humanos nascemos com uma forte preferência pelo sabor doce e de facto o sabor doce proporciona prazer e o prazer é um forte motivo que reza as nossas escolhas. O açúcar ( dissácarido formado por uma molécula de glucose e uma de frutose ) é um dos ingredientes com o qual temos mais contacto na nossa dieta habitual. Seja quando conscientemente o adicionamos nos nossos pratos ou de forma inocente o consumimos nos produtos industrializados nem suspeitando a sua presença. Isto porque o açúcar (ou sacarose) aparece nos rótulos dos produtos sob as denominações com as quais não estamos familiarizados, mas com nomes como xarope de milho, xarope invertido, melaço, xarope de glicose, dextrose, maltodextrina. São basicamente açúcares que sofrem processos industriais para aperfeiçoar as suas propriedades de conservação e fabricação de outros produtos. A hiperglicemia, a hipersinsulinemia e a resistência a insulina são causadas não apenas pela quantidade de açúcar ingerida mas também pela frequência da ingestão.

Líquidos sem açúcar por favor

Sabia que o açúcar é o alimento que mais estimula o crescimento das células cancerígenas? De facto é o ingrediente proibido na dieta dos pacientes oncológicos. Para não falar de vários estudos que apontam para o desenvolvimento de cancro do pâncreas, esteatose hépatica (ou fígado gordo), distúrbios metabólico e diabetes. Estes termos não o assustam? Deviam!

O problema não está na sobremesa deliciosa que a sua mãe faz aos domingos ou aquele bolo de chocolate do café da esquina que não lhe resiste as vezes. O grande problema são os nossos hábitos diários que somados ao fim do dia  transformam-se em números assustadores de gramas de veneno ingeridas sem nenhuma necessidade. E aqui vou entrar num assunto que me preocupa muito,  o consumo de líquidos ao longo do dia. O que tem o pacotinho de açúcar que coloca no café de manhã? E já agora a colher de açúcar no chá da tarde? Hoje até tomou uma limonada deliciosa na esplanada do restaurante, mas a noite o frio pediu  capuccino cremoso que sem açúcar não sabe ao mesmo.

O QUE FAZER?

Tudo é uma questão de disciplina alimentar! A mudança começa com pequenos gestos. O açúcar tem um elevado poder viciante, sendo por esta razão tão excessivamente consumido no mundo inteiro. Contudo o processo inverso, o de desmame, é um verdadeiro desafio. Não acredita? Tente passar 3 dias sem consumir 1 grama de açúcar e depois conte-nos como foi. Em consulta a maior dificuldade dos meus pacientes é passar para uma dieta isenta de açúcar, principalmente as bebidas. Café sem açúcar? Chá sem açúcar? Galão sem nada? Recebi olhares críticos quando trouxe o assunto a mesa do consultório. Agora pergunto eu, já experimentou beber o café sem açúcar? Sim? Quantas vezes? Bolas, não foi fácil habituar-me logo à primeira, não para mim, nem para os pacientes que o fizeram. Mas conseguiram. Hoje são livres e podem saborear a sua bebida preferida sem calorias extra. Pequenos gestos mas que podem fazer a diferença. E se este artigo conseguiu mudar os hábitos de pelo menos uma pessoa, já valeu a pena o ter publicado. E mais, tenho a certeza que a partir de agora cada vez que tomar o seu café vai hesitar no tal pacotinho “inocente” de açúcar. Viva com saúde hoje, não espere pelo amanhã!

Nutricionista

Olga Donica

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

insert emoticons